A força do PDT está no poder de articulação de Cid e Ciro Gomes

O PDT do Ceará é diferenciado de outros estados. O partido tem vitalidade e um eleitorado fiel. A força não está na sigla e sim nos lideres. Ciro e Cid sabem fazer partidos fortes, porque juntam pessoas que têm votos.

Na eleição de 2018, o PDT elegeu 13 deputados estaduais e colocou quatro suplentes com mais de 30 mil votos. Estamos fazendo referência somente ao PDT. Em números, são 1,26 milhão de votos conquistados pelos candidatos à Assembleia. A coligação completa recebeu cerca de 2,1 milhões de votos, juntando-se 14 partidos com respectivos suplentes. Maiores puxadores de votos, os candidatos a deputado estadual do PDT contribuíram quase com a totalidade para eleger o governador e o senador do partido.

Para a eleição de outubro, o PDT está montando uma chapa ainda mais forte. O partido criou um núcleo feminino e pretende colocar mais mulheres no parlamento. A tática pode fazer o legislativo cearense pensar em ter a primeira mulher na presidência. A tese não é descartada e passa não só por um nome do PDT, mas também por outro entre os partidos aliados.

Os novos rostos do PDT na Assembleia devem ser da médica Lia Gomes, do vereador de Fortaleza, Antônio Henrique, do ex-prefeito de São Gonçalo do Amarante Cláudio Pinho e do filho do prefeito de Aracati, Bismarck Maia, Guilherme Bismarck. A expectativa do partido é eleger 16 deputados estaduais.

(com informações do Blog do Roberto Moreira)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.