PDT reúne bancada estadual e federal para tratar sobre sucessão estadual

A direção do PDT esteve reunida com seus 13 deputados estaduais e 7 federais para reunião na sede do partido nesta segunda-feira (11/07). O encontro foi conduzido pelo presidente do partido, deputado André Figueiredo, e pelo pré-candidato do partido à presidência da República, Ciro Gomes, que coordena o critério de escolha do nome do partido para disputar o governo do Ceará em outubro.

A reunião foi preparatória para o encontro do Diretório Estadual, marcado para a próximo segunda-feira (18/07).

Um manifesto publicado pelo deputado Acrísio Sena nas redes sociais, com 30 assinaturas (alguns negaram ter assinado), sinalizando apoio à reeleição da governadora Izolda Cela,  memes na internet, desinformações e declarações atribuídas ao ex-governador Camilo Santana e ao presidente da Assembleia, Evandro Leitão, que eles negam, têm criado um ambiente que remete à uma ruptura sem volta entre PDT e PT. Os líderes dos partidos trabalham para montar um acordo.

A manutenção da aliança entre o PDT e o PT passou a ter dificuldades, a partir da campanha presidencial, onde o pré-candidato à presidência, Ciro Gomes, mantém forte ataque ao ex-presidente Lula. Este responde, construindo articulações para afundar o projeto de Ciro de chegar à presidência da Brasil. O PT quer construir um palanque para Lula e insiste que o PDT lance a governadora Izolda Cela à reeleição, por conta da afinidade dela com o PT. O PDT diz ter independência para escolher o candidato ao governo do Ceará e mantém Ciro candidato e livre para conquistar o eleitor, mesmo que seja apontando seu canhão a Lula e Bolsonaro, que lideram as pesquisas.

PDT e PT chegaram à exaustão? Não. Faltam mais de 20 dias para o prazo de encerramento das convenções, que termina dia 5 de agosto. Até lá, novos fatos podem manter os partidos unidos ou separados para a disputa estadual, como ocorre na eleição municipal. Em Fortaleza, PT e PDT lançam candidatos, há três eleições. Roberto Cláudio derrotou os três, mas o PT, sempre, apoia o PDT no segundo turno. O ex-prefeito parece não ser o problema, mas sim outros fatores que só Izolda, Ciro, Cid e Camilo conhecem. Em breve, saberemos onde está o real fator da divergência.

(com informações do Blog do Roberto Moreira)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.