Ciro vai tentar, pela quarta vez. a presidência da República

 “A presidência da República não é projeto, é destino”. A frase é de Tancredo Neves, que morreu eleito presidente, mas não assumiu o cargo, às vésperas da posse. O destino colocou José Sarney no cargo, para governar o País por cinco anos.

O ex-ministro Ciro Gomes pensa como Tancredo. Vai para a disputa, acreditando que o brasileiro pode apostar no seu propósito de reconstruir o Brasil. Ciro apresentou um plano de governo, percorreu o País, divulgando e, nas redes sociais, fez ampla comunicação. Percorreu o caminho do diálogo, exibindo um projeto de governo, o único apresentado por um pré-candidato.

Nesta quarta-feira, 20/7, Ciro passou a dividir com Lula a honra de disputar quatro vezes a presidência da República. Lula chegou lá. Ciro chegará? A evolução da campanha vai mostrar a possibilidade dele chegar ao segundo turno. Não é fácil, mas também não é impossível. A convenção nacional do PDT, além de referendar Ciro candidato a presidente, vai abrir uma divisão no campo da esquerda, transformando-o em candidato que pode alcançar o território de centro.

Os institutos Datafolha e IPESP, que substituiu o Ibope, dão a Ciro Gomes 9% de intenções de votos. Ou seja, a preferência de 15 milhões do total de 156 milhões de eleitores. Ciro é o terceiro colocado, Bolsonaro o segundo, com 29%, e Lula, na primeira posição, com 44% das intenções de votos. Ciro vai para uma disputa onde os candidatos que lideram as pesquisas não debatem os problemas do Brasil, sua economia, segurança e cidadania, entre outros. Preferem o debate ideológico, mais à esquerda ou direita do que se convenciona como política.

Fonte: Blog do Roberto Moreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.