Daniel Silveira, um “corpo estranho”

“Ocorreu com Daniel Silveira algo muito comum em política”, diz Josias de Souza. “No início da semana, o deputado achava que era uma coisa. Descobriu em poucos dias que sua reputação já o havia transformado em outra coisa. Imaginava ser amigo de Jair Bolsonaro. E achava que o corporativismo do Congresso não permitiria que nada lhe acontecesse. Bolsonaro fingiu-se de morto. E os sacerdotes da corporação legislativa concluíram que não faria sentido acionar o espírito de corpo para defender um corpo estranho.”

Fonte: O Antagonista

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.