Justiça Eleitoral está na cola de suposto crime eleitoral cometido por vereadores de Granja

O promotor eleitoral Victor Borges Pinho, da 25ª Zona Eleitoral, requisitou à Polícia Federal, a instauração de inquérito policial visando a apuração de crime eleitoral supostamente praticados pelos vereadores de Granja, Manoel Bulega, Evaristo de Sousa, Veridiano Fontenele (Fanta), João Turé e Edi Paula. Todos ligados a situação.

De acordo com denúncia recebida Ministério Público Eleitoral, os respectivos vereadores que concorreram à reeleição no pleito de 2020 não informaram bens por ocasião da apresentação de seus registros de candidaturas, principalmente veículos.

No despacho em que pede a abertura de inquérito por parte da Polícia Federal, o promotor Victor Borges afirma que realizou busca no Sistema do Detran/CE e constatou que alguns dos mencionados parlamentares possuem veículos automotores registrados em seus nomes, porém, os mesmos não constam nas declarações de bens apresentadas à Justiça Eleitoral.

A conduta imputada aos vereadores, segundo o MP, pode caracterizar crime eleitoral. A pena pode resultar em reclusão de até cinco anos. Se quem cometer o crime for funcionário público e comete o crime prevalecendo-se do cargo ou se a falsificação ou alteração é de assentamentos de registro civil, a pena é agravada.

Fonte: Camocim Online

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *