Mais uma teoria da conspiração

Tancredo Neves redivivo. O doutor atende o paciente em Brasília. Fazem uma cirurgia de emergência. O paciente não fica bem. Junta leva o paciente pra São Paulo… o resto o mundo conhece.

O presidente sente dores na barriga. Vinha se queixando de um soluço que qualquer doutor acabaria em trinta segundos. Dizem os entendidos que basta uma injeção de “amplictil” (será que ainda existe?) e o soluço acaba.

Pois bem. Um soluço seria uma solução? Os teóricos da conspiração já pensam diferente. Dizem lá que, como a corda foi esticada demais e o ponto de rompimento estaria muito próximo, um gerenciador de crise teria achado a solução.

Inventa um soluço e cria uma solução. Tira o homem do olho do furacão, bota num hospital por 10 ou 15 dias e as cordas se distendem. O povo, bonzim, não fala mais em empichar o homem, mas a rezar pela saúde dele. É do brasileiro.

Acaba a crise política, estanca a sangria do homem, para com os impropérios e diatribes dos apaixonados, dos seguidores do pastor e estes não mais pularão do precipício nem tomarão potes e potes de veneno num suicídio de Moon.

A gente fica observando a cena e vê as teorias nascerem, as crises se estenderem, as cordas afrouxarem, um certo alivio dançar no ar e…o bicho tem seu caminho desviado para outras crenças. Para a CPI. O Supremo se acalma.O legislativo amansa. Oremos!

Extra corpórea é a sensação que dá quando, o presidente correndo o risco de uma cirurgia, o vice viaja com dois ministros para Angola, para participar de uma reunião da CPLP-Comissão de Países de Língua Portuguesa.

Outra coisa; as TVs aliadas, ou quase, não acompanharam a viagem do presidente com a urgência para São Paulo para darem cobertura estrepitosa à prisão de um inconsequente, nem nenhum valor ético ou moral, que surrou a mulher.

Como vimos deduzindo: de tudo se desacredita hoje em dia, aqui ou fora daqui. A saúde de um homem posta em dúvida em teorias e conflitos. Em nome de ideologias e ódios, crenças e desculpas.

Por Pompeu Macário Batista, via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *